“Vai demorar, ou é pra hoje ?”, astrologia horaria e como medir o tempo das previsoes

Posted on 30 de janeiro de 2007

6


timing-horaria.JPG

Depois de fazer uma horária, a parte mais complicada é saber quanto tempo esperar…

Determinando “quanto tempo” para os eventos previstos em astrologia horária

Um dos maiores desafios da astrologia horária, que é o ramo da astrologia que prevê o futuro a partir da carta astral de uma pergunta, é de saber “quanto tempo”, ou seja, fazer o timing dos acontecimentos, e saber quando eles vão se concretizar. Muitas vezes esse é um dos aspectos mais difíceis, mas mais importas da arte da previsão astrológica. Se você nunca viu uma carta horária, veja um exemplo aqui.

Em vários tipos de carta horária, o problema do “quando” é essencial: quando vou conseguir um novo emprego, quanto tempo para o dinheiro do processo trabalhista chegar, meu cheque chega hoje, etc, etc. Note que, antes da gente sequer começar a discutir “quanto tempo” algo vai demorar, a gente já tem que ter certeza de que esse algo vai realmente acontecer ! E, como todos que já tentaram fazer uma carta horária sabem, já é uma grande dor de cabeça…

Antes de discutirmos as regras básicas, acho importante falar de alguns problemas básicos da medição do tempo em astrologia horária.

O tempo e a astrologia

Em geral se começa a falar de como medir o tempo sem discutir certos erros que as pessoas estão constantemente cometendo. Desses, acho que a primeira e mais básica das regras é: “Não pergunte quanto tempo vai demorar pra você fazer alguma coisa”.

Parece não fazer sentido ? Falando assim, talvez não, mas as pessoas estão constantemente fazendo perguntas de quanto tempo vai levar algo que depende totalmente delas ! Por exemplo, “quanto tempo vai demorar pra abrir minha empresa ?”, parece uma pergunta tão inocente… mas será que ela é realmente melhor do que “vou conseguir ir a academia amanhã” ? Sendo uma pergunta que depende tanto da competência e disposição da pessoa que pergunta, eu fortemente sugeriria que o astrólogo sutilmente mudasse a forma da pergunta !

São tipos de perguntas que, como dependem do comportamento (o famoso “livre-arbítrio”) não faz muito sentido perguntá-las. Imagina se eu pergunto “quando o Rodolfo vai atualizar o blog dele” e ele vê minha previsão e resolve não atualizar, pelo único motivo de ser uma mente diabólica e querer que eu erre em público ?

Não estou dizendo que esse tipo de pergunta não pode ou não deve ser respondida… estou dizendo que se deve tomar muito cuidado com suas sutilezas.

O segundo ponto importante sobre o “tempo” de uma pergunta horária é saber se ele realmente é flexível, e quão flexível. Por exemplo, a pergunta “Vou passar no concurso ?”, não admite previsão de tempo, pois os resultados do concurso sairão em data prevista por edital. Concentre-se apenas em dizer “sim” ou “não”! Mas a pergunta “Quando vou ser chamado para tomar cargo no concurso ?” admite margem para previsão.

Note que, mesmo assim, a margem de flexibilidade no tempo é mínima. Uma pergunta dessas em geral envolve meses ou até anos, e na melhor das hipóteses, dias. Há algumas perguntas que são muito mais capciosas, como as de entregas de encomendas, por exemplo. Se perguntamos algo como “o correio vai entregar minha encomenda hoje ?” Temos como terríveis possíveis respostas: “não, hoje não”, “daqui a cinco horas”, “daqui a cinco minutos”, “já entregaram, vá procurar na sua porta”, etc. Isso complica muito as coisas.

Outro exemplo de pergunta com flexibilidade excessiva seria algo como “Quando vou conseguir um novo emprego”. Se em geral as respostas são na escala de meses, não podemos esquecer daquelas almas que têm a cúspide da casa 10 virada pra Lua, e que conseguem um novo emprego 2 horas depois da pergunta… nunca vi isso acontecer, mas admitamos que é uma possibilidade.

Em geral, na minha experiência, há “surpresas maléficas” para medir o tempo em horária quando vemos um planeta muito perto de uma das cúspides… isso às vezes simboliza algo que vai acontecer muito antes do imaginado, como por exemplo, a geladeira que vai ser entregue nos próximos cinco minutos. Não digo que sempre aconteça, apenas que é necessário ter cuidado. O mesmo é válido para quando aquele aspecto que liga os significadores está a alguns minutos de grau de se completar.

Precisão e Exatidão em astrologia horária

Em física, precisão é relativo à variabilidade da medida. Exemplo: se eu medir meu peso, ele vai variar a cada medida,variando ao longo do dia, mas também depende da precisão da balança. Uma balança pouco precisa é aquela que a sua mãe tem no banheiro, que o ponteiro varia o tempo todo e não decide onde vai parar.

A exatidão é um problema bem diferente, quer saber se o instrumento está “realmente medindo o que diz que mede”. Por exemplo, aquela balança da farmácia, que é eletrônica e mede o seu peso com precisão de 20 gramas, pode estar errando em 15 kilos porque não está calibrada…

O mesmo problema se aplica a astrologia horária. Infelizmente, por mais que eu tenha procurado, todos os autores concordam que existe mais de um tempo possível para o resultado em qualquer carta horária. Mesmo que você tenha uma pergunta simples, como “meu funcionário vai chegar aqui a que horas?”, você tem mais de uma resposta possível, e não adianta brigar com esse problema de exatidão

Me parece que a melhor opção nesse caso é ser honesto e dar as datas mais prováveis, sem no entanto cair na tática do “atirar pra todo lado pra ver se acerta alguma coisa”. Também é bom usar o bom senso: se o resultado sai em 5 dias, podemos descartar o fim de semana; o pacote do correio só vai chegar em horário comercial, etc.

O segundo problema é de precisão: mesmo que tenhamos certeza do tempo até o evento, vale o conselho do John Frawley … não vale a pena querer se fazer de mago poderoso e querer prever “você conseguirá um novo emprego no dia 19 de julho, às 15 horas e 42 minutos”. Uma resposta como “vai demorar uns 6 meses” está mais do que bom ! Pra pergunta “quando chegam meus livros ?”, a resposta “na semana que vem” traz assombro, e a resposta “na terça feira”, traz um “você errou, foi na quarta pela manhã”. Limite a precisão apenas ao necessário.

Lua fora de curso

Muita gente acha que numa Lua fora de curso “nada pode acontecer”. Isso é mentira por três motivos:

1) A lua pode funcionar, mesmo fora de curso, nos signos de câncer, touro, Sagitário e Peixes.

2) A lua fora de curso pode estar fazendo aspectos fora-de-signo, mas dentro de orbe, com algum outro planeta.

3) A pergunta da pessoa pode estar mal formulada e causando confusão. Um exemplo é uma pergunta como “vou encontrar meus óculos?”. Se a pessoa perdeu os óculos ontem, ela ainda acha que eles vão aparecer, e a pergunta é apenas dramatismo tolo, e uma lua fora de curso mostra que nada importante aconteceu. Agora, se os óculos desapareceram faz um mês, então a pessoa quer saber se vai acontecer um milagre, e agora essa mesma lua significa que os óculos não vão ser encontrados.

Em qualquer caso, se você tem quase certeza que algo vai acontecer apesar da Lua fora de curso, uma técnica que parece funcionar é contar os graus até o próximo aspecto, mesmo que esteja fora de orbe.

Por enquanto ficamos por aqui… fique ligado pra parte 2 desse tema. Talvez ela demore alguns dias, pois já estudei umas 30 cartas pra ver os métodos utilizados, então juntar toda essa informação pode demorar um tempo.

Artigos relacionados

Divulgue esse Artigo Adicionar esta not�cia no Linkk
BlogBlogs.Com.Br

Anúncios