Astrologia Vedica

Posted on 18 de fevereiro de 2007

13


astrologia vedica

O que é a astrologia védica ? Nunca ouviu falar ? A astrologia védica (também conhecida como jyotish) é a astrologia tradicional da Índia. É uma astrologia com similaridades mas também diferenças importantes com a astrologia ocidental. Ela envolve as crenças indianas, como karma e reencarnação, e também suas visões culturais sobre o mundo e o papel do homem.

É uma astrologia com um poder preditivo muito forte, que não fica em blá-blá-blá, sem pseudo discussões sobre espiritualidade new age. Nos testes do ástrologo australiano Dymock Brose, que uma vez por mês cria testes para a comunidade de astrólogos treinar suas capacidades preditivas, a maioria das respostas corretas vem de astrólogos védicos, demonstrando a eficácia de sua metodologia, e também de ter bons professores, já que a maioria dos védicos aprendeu na tradição oral !

Uma origem comum entre o ocidente e o oriente ?

Uma coisa muito discutida é se a astrologia védica e a grega tiveram uma origem comum. O Robert Hand particularmente é muito apressadinho pra concluir que a astrologia foi passada dos gregos para os indianos. Para mim isso está mais no terreno da especulação, pois não existe prova real, e existem semelhanças entre vários sistemas simbólicos no mundo, sem que tenha havido contato cultural. O fato é que a astrologia védica tem pontos semelhantes com a ocidental, mas é um sistema diferente, e que deve ser lidado dessa maneira. Pior coisa que já vi é gente tentando misturar os dois sistemas, é a tipica gororoba.


Outro problema é gente que diz que é especialista nos dois tipos de astrologia, a típica salada. Pode até ter um ou outro capaz disso, mas o fato é que é muito dificil um ser humano conseguir manter dois sistemas complexos na cabeça ao mesmo tempo para analisar uma carta astral. As diferenças incluem:

  • O sistema védico é sideral
  • As casas astrais são por signo inteiro
  • regências planetárias
  • aspectos, etc

Astrologia sideral e tropical

O ocidente, pelo menos desde Ptolomeu, usa o sistema chamado Tropical. Isso quer dizer que o ponto zero do zodíaco, o signo de Áries, começa no equinócio de primavera do hemisfério norte. Ele é chamado de tropical por estar em sincronia com as estações do ano. O segundo sistema, chamado sideral, é usado na astrologia védica. Ele calcula o ponto zero através de estrelas fixas. O problema é “qual estrela fixa ?” e como resultado existem diversos sistemas na India. Me parece que o mais popular é o sistema Lahiri, mas em todos os sistemas a diferença com o zodíaco ocidental é de aproximadamente 23 graus menos.

Uma regra para facilitar é adicionar 7 graus e diminuir um signo. Assim, se a sua Lua estiver em 10 de câncer, adicione 7, temos 17, vamos para o signo anterior, temos 17 graus de gêmeos no zodíaco sideral.

Note que mesmo no sistema sideral, signo é diferente de constelação. Constelação são desenhos arbitrários no céu, o signo é a divisão da eclíptica (uma linha imaginária que traça o caminho do Sol no céu) em 12 partes. Por isso não existe e nunca vai existir um “signo de Ophiucus” ou um “signo de Baleia”. Isso é coisa de gente que não sabe do que fala, cuidado.

As casas astrológicas

A astrologia védica não tem um sistema de divisão em casas astrológicas. Ao invés disso, eles usam um sistema como o dos gregos, de signos inteiros. Vamos supor que o ascendente esteja em 27 de Leão. Para a astrologia ocidental, de 27 Leão em diante começa a casa 1, e antes disso (por exemplo 10 de Leão) temos já a casa 12. Na védica é diferente, todo o signo de Leão é considerado como casa 1. E todo o signo de virgem é a casa 2, etc. A casa é idêntica ao signo.

As regências

As regências dos signos são basicamente iguais, assim como as exaltações. Os védicos não tem equivalentes para outras regências menores, como termos, face e triplicidade. Apesar de alguns dos védicos hoje em dia usarem os planetas geracionais, Urano, Netuno e Plutão, eles nunca cometeram a barbaridade de dizer que eles são “regentes” de Aquário, Peixes e Escorpião, como na astrologia moderna ocidental. De resto, se você encontrar um astrólogo védico usando asteróides, lilith ou coisas parecidas, tenha certeza que não é védico, é picareta.

(Nota posterior: segundo Al Biruni (séc. 10), os hindus tem duas séries de termos chamadas de trishanash e de decanos chamada darigan ou Drikan. Não sei se ainda são usadas ou se ele confundiu essas regências com as cartas divisionais hindus…)

Aspectos

O aspecto de um planeta é por signo inteiro, como com os gregos. Isso significa que se o Sol está em 2 graus de Áries, e Júpiter está em 29 de Leão, os dois planetas são considerados como em trígono, apesar da grande distância em graus entre os dois. Em compensação o número de aspectos que um planeta faz é muito menor. O sol, a Lua, vênus e mercúrio só fazem dois aspectos cada: conjunção e oposição.

Os três superiores têm mais aspectos, além desses dois… marte também aspecta as casas 4 e 8, saturno as casas 3 e 10, Júpiter as casas 5 e 9.

Rahu e Ketu

Esses são os nomes dos dois nodos lunares, o nodo norte (RAhu) e Sul (Ketu). Na jyiotish esses dois pontos são considerados maléficos, a boca e a cauda de um grande demônio faminto que foi castigado pelos deuses sendo dividido em dois. O nodo norte é consumista, imediatista, materialista, sempre preso pelo ritmo do tempo, etc. O nodo sul é “espiritualista” no pior sentido, de denegrir a matéria e o espirito, de procurar dissolver seu senso de identidade, de se martirizar, etc.

É curioso que na astrologia ocidental o nodo norte foi considerado positivo, o que mostra que somos materialistas não é de agora…

Outras Semelhanças.

O que se fala sobre signo solar no ocidente pode ser transferido para a Lua, o astro mais importante para eles. Além dos doze signos, existem as 27 Nakshatras (equivalentes às nossas 27 Mansões Lunares árabes). Eles também usam um sistema de Dasas que é parecido com a nossa Firdaria. Eles usam também versões próprias da astrologia horária (Prasna, se não me engano) e eletiva. As cartas divisionais deles são levemente parecidas com as dodekatemorias gregas ou com os harmônicos ocidentais, mas muito mais sofisticadas.

Revisionistas e charlatães

Um cuidado que se deve ter, é que a India é um lugar de tradição, mas várias cidades da India são mais modernas e norte-americanizadas que Rio de Janeiro (e com certeza falam mais inglês que Miami). Com a Internet houve a propagação de sites vagabundos e de informações falsas e métodos milagrosos. Uma das coisas mais comuns é a venda de jóias para se curar os males planetários, quando na tradição se dava preferência a mantras, dieta e meditação (ou seja, coisas que o ocidental não gosta, e que não dá tanto dinheiro para o astrólogo).

Além disso existem diversos novos sistemas como o KP Astrology ou a Systems Astrology que não são realmente astrologia védica, mas variações feitas com propósito “facilitador” e geralmente usadas apenas nos estados unidos. Podem ser vistas como alternativas interessantes, mas com o devido cuidado de que não são o “produto autêntico”.

Como aprender astrologia védica

Estudar astrologia védica não é assunto de ler dois livros ou fazer curso de fim de semana. É muito raro você encontrar livro sério no Brasil, e que não seja apenas introdutório. Muita da astrologia védica genuina só é transmitida oralmente, e exige muuuuita disciplina. Se você é do tipo que chama “parte da fortuna” de “roda da fortuna”, e acha que é tudo a mesma coisa, esqueça, é uma astrologia pra gente que respeita a tradição ao pé da letra.

Eu sugeriria centros culturais que divulgam o hinduismo ou a cultura da India, lugares que tem gente séria que pratica yoga (não power yoga !!!!), mantras, etc. É um investimento profundo e requer que a pessoa queira realmente entrar nessa cultura.

Para quem quer uma boa introdução, eu recomendo o Galactic Center, e também acho interessante esse tutorial.

Artigos Relacionados