Eleições Norte-Americanas

Posted on 23 de junho de 2008

3


Como dito no artigo da semana passada sobre a certidão de Barack Obama, as eleições atuais dos Estados Unidos estão regidas pela discórdia astrológica. Uma série de horários falsos surgiram para os candidatos, retificações mal feitas e comentários tolos flutuaram pela rede, sem filtro. Quais são as lições que podemos aprender de tudo isso ?

O Santo Graal das eleições ?

Agora que temos a carta natal do Obama, todos poderemos achar o ganhador, não ? I wish ! Nas duas eleições americanas os astrólogos erraram em maioria (apesar de haver apenas duas alternativas !).

Claro, você pode até dizer “Oh, mas o Bush fraudou a primeira eleição”. Bem daí é saber se o método utilizado media vitória ou apenas voto popular… mas qual é a desculpa para a derrota do Kerry ?

O primeiro ponto a analisar é a fragilidade do método de “Trânsitos”, que foi usado pela grande maioria. Tá, Urano pode estar passando por tal e tal parte do mapa, mas isso não significa nada. Estamos falando sobre voto popular e não sobre mania esquizofrênica, você não pode concluir nada só com isso.

O segundo foi bem analisado pelo John Frawley: Bush era o presidente, Kerry o desafiante. Não importa o quanto Bush esteja fraco… a carta deveria mostrar uma grande derrota pra conseguir tirar um presidente americano do cargo. Não importa quanto sucesso a carta do Kerry mostrava… porque Kerry saiu de ser um político obscuro para uma pessoa mundialmente conhecida ! Só isso já é uma grande demonstração de popularidade ! Ele provavelmente nunca será tão popular novamente, ou seja, qualquer trânsito que você viu falando sobre sucesso foi concretizado… apenas não conclua que ele será presidente, porque não foi !

O Carpinteiro que só tinha um martelo

Conhece a velha história do carpinteiro que só tinha um martelo ? A moral da história é que se você só tem um martelo, vai passar a maior parte do tempo martelando, e não serrando, cortando, etc. Quanto menos equipamento/técnica você tem, maior a chance de você usar algo inapropriado para o seu objetivo, pelo único motivo de ser a única disponível.

Por exemplo, com tanto modismo, desculpe, novas técnica astrológica, é impressionante que quase todo mundo que se diz astrólogo, com direito a cliente pagante, usa única e exclusivamente a técnica mais pobre: trânsitos.

Mas não é apenas uma questão de método, mas também de objeto… Leitores do blog devem lembrar-se que a astrologia não se limita a um exercício narcisista sobre nossas próprias limitações. Na verdade ela é dividida em vários ramos:

Astrologia natal – tendências para a vida do sujeito, inclusive vitalidade, saúde, dinheiro, amor, etc.
Astrologia horária – previsão do futuro próximo de situações concretas, baseado no momento de uma pergunta feita “com coração”
Astrologia eletiva – escolha do melhor momento para se fazer alguma coisa, como casar.
Astrologia mundana – astrologia da política, reis, países, grandes desastres naturais, clima, etc.

Há aqui uma hierarquia esquecida pelos modernos, basicamente devido ao “problema do martelo”. A astrologia mundana tem precedência sobre todas as outras. Não importa o quão boa seja sua carta, você não vai ser rei da inglaterra se você não for ao menos inglês e da família real. Sua carta pode dizer que você vai ser milionário, mas se você nasceu no Sudão, isso pode significar duas cabras. O melhor astrólogo do mundo pode prever grande longevidade para você, o que não vai significar muito se você estiver no caminho de um tsunami.

No entanto, 99,9999999% de todos os astrólogos só usaram as marditas cartas natais, que estão lá embaixo na hierarquia. Vamos pensar um pouco. Os Estados Unidos têm uma série de cartas de fundação: do governo federal, posse do primeiro presidente, etc. Hillary Clinton pode estar com os melhores trânsitos possíveis, mas na carta do governo federal diz que não pode ser ela. Conclusão ? Mundana vence natal qualquer dia.

A ÚNICA astróloga tradicional que eu conheço que usou astrologia mundana foi a Lee Lehman. Nesse vídeo ela explica seu método. Se você não tem paciência ou não sabe inglês, ela calcula uns 80% de chance dos republicanos vencerem.

Eu tenho o meu próprio método, que infelizmente não vou publicar aqui porque já me copiaram uma vez ! Brasileiro é um povo tão miguxo ! Agora só falo sobre o método depois que escrever ele em inglês, que assim miguxo pode dizer que foi ele que inventou no orkut, mas a prova vai estar aberta pra todo mundo. Por sinal, saindo do tema, tem uma outra picareta brasileira toda metida que copiou um artigo do Steven Birchfield TODO, e sai por ai se fazendo de autoridade…. é uma vergonha nosso povo ! Dizem que eu só sento a lenha nos astrólogos modernos, mas falta de caráter não é dependente de linha ideológica, e taí os “tradicionais” pra mostrarem isso.

Voltando ao tema….

É fácil Retificar!


Tem astrólogo brasileiro miguxo, mas que se acha otoridade, que diz que astrólogo de verdade sempre retifica a carta natal. Até aí, como sempre eu digo, retificar é fácil, qualquer um faz ! O difícil é que o horário retificado esteja certo !

Em um desafio de retificação, a única que acertou foi uma astróloga que usou a trutina de Hermes, método tradicional. O Dr. H. conta em seu livro de retificação que há mais de 50 cartas retificadas para Ronald Reagan. No caso do Obama, uma das cartas que surgiu do nada, devido a uma “grande astróloga que fazia mistério de sua fonte” estava errado em mais de 6 horas.

O problema básico é que a retificação usa informação conhecida, ou seja, você já sabe a resposta ! Então mesmo um iniciante pode inventar uma explicação para um fato já conhecido. Isso implica que antes de saber retificar, a pessoa tem que ter uma capacidade de previsão impressionante, justamente para saber diferenciar o joio do trigo !

Nota venenosa: sabe a otoridade que eu mencionei acima ? Ele é dos tipos que grita aos quatro ventos sobre como é impossível prever em astrologia. Ah, tá, prever ele não prevê, mas se der todos os fatos ele explica e “retifica”. Que bom pra ele !

Dados sujos, cartas de meio dia, etc.


Lição… além de não saber prever qual será o presidente (quando temos o horário de nascimento) ou de retificar a carta (quando não temos o horário), os astrólogos usarão absolutamente qualquer dado “sujo”, de fonte pouco confiável, questionável, baseado em rumor ou boato.

Ou simplesmente desistem e usam uma carta inventada de “como seria a pessoa se nascesse ao meio dia”. O que leva a crer que a maioria não leu o livro 1 de Morin, ou sequer sabe o que e´uma casa astrológica. (Se você leitor ainda não sabe, procure no Indice ou na Busca, encontrará algumas coisas).

Exemplo: um monte de gente “retificou” a carta da Hillary em alguns minutos. Por exemplo, de 8 da manhã para 8:06. Infelizmente metade retificou o “outro horário” que era 8 da noite ! Você não pode retificar um horário comprometido ! O mais triste é que a maioria das retificações foi baseada em preconceito. Quem era contra Hillary escolheu um ascendente em escorpião porque todos sabemos que scorpio é feeeeeeeeeeeio !

A carta do Obama era particularmente mais fácil pra retificar porque nela a Lua mudava de signo. Um monte de gente usou o signo errado da LUa, contrário a toda evidência, para conseguir um ascendente em Libra, que todo mundo sabe que é tão fooofo….

(Pausa para vômito)

Prever é importante e errar mais ainda. Mas e reconhecer o erro ?

Todo mundo sabe que eu defendo a previsão que possibilita o erro, velho principio positivista, a falsabilidade. Então não devemos falar mal dos que previram, mesmo que muito mal. Mas a lição é que ninguem admite o erro.

Por exemplo, num artigo anterior, o Wolfstar, havia dito que a carta de 1.06 era provavelmente a correta e mostrava, usando um monte de asteróide, que a carta funcionava. Agora que tem outro horário, surpresa, ele funciona também !

Onde está o critério ? Ou o “desculpa gente, eu errei, acontece nas melhores famílias ?” Você não tinha “retificado” e dito que o horário estava certo por A, B e C ? Porque não explica onde errou ?

De onde concluímos nossa maior lição… astrólogos são divertidos !

Anúncios